INSTITUTO CULTURAL RAÍZES

INSTITUTO CULTURAL RAÍZES
CONHEÇA E ACOMPANHE O INSTITUTO CULTURAL RAÍZES

CONHEÇA A TV RAÍZES DA CULTURA

CONHEÇA A TV RAÍZES DA CULTURA
SEJA UM(A) APOIADOR(A)

História do Agbê


O Abê (Agbê) ou Xequerê (Sekere na ortografia Yoruba) é um instrumento musical de percussão, original da África.

Ao longo de todo o continente africano é chamado de diferentes nomes, como o lilolo, axatse (Gana), e chequere. É predominantemente chamado shekere na Nigéria.

Também é conhecido pelo nome de Afoxé, numa ligação direta com o ritmo do Afoxé.

O Agbê chegou aqui no Brasil trazido pelos negros africanos. 

Historicamente o agbê nunca fez parte de uma nação de maracatu,o agbê primeiramente foi utilizado nos Afoxés da Bahia, até a década de 1980 o Agbê não era um instrumento popular no estado de Pernambuco. Foi exatamente nessa época que os Afoxés de Pernambuco viraram apresentações comuns nos carnavais de Recife. 

Só no ano de 1996 que o agbê começou a fazer parte de uma nação de maracatu, sendo pioneiras em sua utilização a Nação do Maracatu Estrela Brilhante e a Nação do Maracatu Porto Rico.

A partir de então, várias nações usam o agbê, mas ainda existem nações de maracatu que não usam o abgê. 

Ele é confeccionado com uma cabaça seca, cortada em uma das extremidades, e coberto por miçangas. A forma da cabaça determina o som do instrumento.

A cabaça para os africanos é o símbolo da fertilidade, pois o formato lembra uma mulher grávida.

Nenhum comentário:

Postar um comentário